21 de jan de 2013

Estrupo em Sarandi

A mulher, de 36 anos, que foi estuprada e brutalmente espancada na noite deste sábado (19), em Sarandi (a 12 km de Maringá), estaria voltando da igreja quando foi atacada, informou o superintendente da Polícia Civil em Sarandi, Márcio Bertoni. A vítima, que seria deficiente mental, teria saído despercebida da casa de familiares, no Jardim Ouro Verde. O crime ocorreu por volta das 22h30.
Conforme Bertoni, a mulher teria sido violentada por Lucas Felipe Basso, de 20 anos. "Ele a agrediu com socos, chutes e uma testemunha nos informou que teria pulado sobre a cabeça dela, com a nítida intenção de matar", conta o policial.
Basso é ajudante geral em uma empresa de Maringá, mas reside em Sarandi. Em depoimento, o rapaz teria confirmado o estupro e o espancamento. "Ele alegou que realizou o ato pois estava muito alterado, após consumir uma grande quantidade de cocaína. Ele disse que não se lembra de muitas coisas que aconteceram, mas não negou os fatos", conta Bertoni.
A vítima seria de Cascavel e estava morando há 20 dias em Sarandi. "Pelo que a família nos passou, ela e o irmão são deficientes mentais. Eles não estavam conseguindo manter os dois, por isso enviaram a mulher para a casa de parentes em Sarandi", contou o policial.
Segundo a Polícia Civil, uma testemunha passou pela Rua Ademar Bornia, no Jardim Independência, e viu o rapaz espancando a mulher. "A PM foi acionada e o rapaz fugiu a pé, no entanto, momentos depois ele retornou ao local do crime. Isso mostra o quanto ele estava fora de si", fala Bertnoni.
A mulher, que teria um biotipo franzino, foi encontrada praticamente nua, apenas com uma blusa. "O rosto estava deformado de tão inchado, com lesões por todo o corpo", conta o policial. Na manhã desta segunda-feira (20), o Hospital Metropolitano divulgou que o estado dela é gravíssimo. Ela sofreu traumatismo craniano e está em coma e respirando com a ajuda de aparelhos.
Basso está detido na delegacia de Polícia Civil de Sarandi por tentativa de homicídio e estupro. Ele não tinha antecedentes criminais.
Postar um comentário