10 de set de 2013

Com articulação entre polícia e sociedade, Sarandi não tem homícidos há 30 dias

O município de Sarandi, no Noroeste do Paraná, tinha um dos maiores índices de violência da Região Metropolitana de Maringá. Hoje, é um exemplo de ações de combate ao crime. Em maio deste ano, dentro da estratégia do Governo do Estado de reforçar a estrutura da segurança pública, a 4ª Companhia da Polícia Militar de Sarandi, recebeu reforço no efetivo, que passou de 27 para 52 homens, e seis novas viaturas. 

A ampliação da estrutura e do efetivo já apresenta resultados. A cidade, que chegou a ter sete mortes violentas em um mês, está há mais de 30 dias sem um único homicídio. Neste ano, de janeiro até agora, foram registrados 21 assassinatos, menos que a metade dos casos registrados no mesmo período de 2012 (44) e em 2011 (43). 

“Pela primeira vez em muitos anos temos um Governo do Estado que olha com seriedade a questão da segurança”, afirma o prefeito Carlos Alberto de Paula Junior. “O mais importante é que esses resultados devem melhorar ainda mais, porque estamos com essa estrutura há apenas três meses”, diz o prefeito. 

O reforço à 4ª Companhia foi decisivo e motivou outras ações, como uma nova estratégia de trabalho da própria PM e a efetiva participação do município. A Guarda Municipal passou a trabalhar em conjunto com os policiais militares. 

Através de articulação feita pela prefeitura, empresários de Sarandi doaram à PM duas motocicletas XP 660, de grande porte, e um sistema formado por quatro câmeras e uma tela receptora, que ajuda a monitorar pontos estratégicos da cidade. O sistema entrou em funcionamento há dez dias. 

“Muitos cidadãos ligam para o número 181, da emergência, só para agradecer ao trabalho”, conta o capitão Gilson Machado Dias, comandante da 4ª Companhia da Polícia Militar. “Já recebemos aplausos durante operações conjuntas da PM e Guarda Municipal para prevenção ao crime”, afirma o secretário municipal da Segurança e Trânsito, Aparecido Antônio. 

MAIS PRESENTE – O capitão Dias explica que com melhor estrutura e mais policiais, a PM tem uma maior presença na cidade e consegue atender a um chamado em apenas poucos minutos. Além da Rádio Patrulha, foi criada a Ronda Ostensiva Tático Motoriza (Rotam) e a Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam). 

“São dois grupos especiais, que saem em horários de pico para operações de abordagens”, explica o comandante. Segundo ele, em grande parte dos crimes, como furtos, assaltos e tráfico, os bandidos usavam motocicletas. “Com a Rocam, conseguimos um enfrentamento mais efetivo, com mais velocidade e perseguição mais eficiente porque as motos passam onde viaturas não podem passar”, explica o comandante. 

O capitão Dias ressalta a importância do trabalho conjunto, pois há reforço nas operações, com divisão de funções. A Guarda Municipal apoia no atendimento às ocorrências e no combate ao tráfico de entorpecentes. Há alguns dias, a GM prendeu um assaltante e também traficantes e pessoas suspeitas de estupro, além de recuperar veículos roubados. 

“O que faz a diferença é a soma de esforços, a parceria, o trabalho conjunto entre as polícias militar e civil e a Guarda Municipal”, afirma o secretário municipal da Segurança, Aparecido Antonio. 

O comandante da 4ª Companhia e o secretário municipal da Segurança ressaltam, também, o trabalho da Polícia Civil em investigações que retiraram marginais de circulação. Segundo o delegado Reginaldo Caetano, dos 21 homicídios ocorridos neste ano, 17 já foram elucidados. 

NO PARANÁ – O aumento no efetivo de policiais e a entrega de novas viaturas para reforçar as ações de segurança pública acontecem em todo o Paraná. No ano passado, o governador Beto Richa autorizou a contratação de 3.127 novos policiais, que já foram distribuídos pelo Estado para reforçar os efetivos da Polícia Militar e Polícia Civil e autorizou concurso público para a incorporação de aproximadamente 4.500 novos policiais. 

Além disso, o governo estadual adquiriu 1.220 novas viaturas e fez grandes investimentos na melhoria da estrutura de segurança pública. “A soma destes esforços e o bom trabalho policial contribuem para ampliar a segurança dos paranaenses”, afirma o governador Beto Richa. 

Levantamento feito pela Coordenadoria de Análise e Planejamento Estratégico da Secretaria da Segurança Pública mostra que o número de homicídios dolosos (quando há intenção de matar) caiu 27% no Paraná nos primeiros seis meses do ano, na comparação com o mesmo período de 2010. Foram registradas 1.316 ocorrências neste ano, contra 1.795 em 2010. 

Além de mais policiais e mais viaturas, a redução é resultado de todo o conjunto de ações promovidas pelo Governo do Estado dentro do programa Paraná Seguro: a implantação de 14 Unidades Paraná Seguro em áreas mais sensíveis; operações sistemáticas da Polícia Civil; grandes apreensões de droga (principalmente na região de fronteira) e também a elucidação de crimes, com a prisão de homicidas e traficantes. 



Tudo é Valido: Lembrado que a 30 dias atrás foi realizado na Sede da Assembléia Legislativa uma Vigilia em prol a Sarandi, e quebrantamento de maldições, foi realizado também uma Marcha para Jesus. tudo é valido para o bem de Sarandi. Eu acredito
Postar um comentário