Contagem Regressiva

22 de mai de 2016

Caso Rafael Capriotti: GAECO descarta Suborno, mas comprova excesso de velocidade

O Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) encerrou a investigação sobre o delegado de Sarandi, Reginaldo Caetano da Silva, acusado de receber suborno para evitar o indiciamento de Pedro Antônio Frasson Filho por homicídio. O jovem se envolveu em um acidente no dia 26 de março, na BR-376, com a morte de Rafael Laraniaga Gomes Capriotti. A investigação foi iniciada após acusações de populares. Porém, a denúncia de corrupção não foi comprovada pelo Gaeco, como informou o promotor Laércio Januário. Segundo ele, as acusações foram feitas no ‘calor da emoção’, sem provas concretas. Porém, na apuração do caso, o Gaeco levantou novos detalhes do acidente que devem ajudar na acusação contra Pedro Antônio Frasson Filho, que estava embriagado e furou o sinal vermelho, provocando o acidente. As informações do Ministério Público dão conta que ele também estaria em alta velocidade. Avaliação sem crime, mas errônea O promotor Láercio Januário acredita que não houve crime na conduta do delegado Reginaldo Caetano da Silva, mas considera “errônea” a atitude do indiciamento apenas por embriaguez ao volante quando existiu uma morte. “Errou na classificação do tipo, tanto é que a Justiça da comarca de Sarandi, o promotor e a juíza de plantão reclassificaram o fato de mera embriaguez ao volante para homicídio doloso com dolo eventual”, apontou Januário. Na investigação, o promotor do Gaeco também fez um trabalho minucioso sobre a colisão e comprovou que Pedro Antônio Frasson Filho estava trafegando pela BR-376 acima do limite de velocidade permitido. Imagens de câmeras de segurança mostram que o acusado passou com a sua Range Rover pela praça de pedágio. O trajeto de 18 quilômetros até o ponto do acidente demoraria de 15 a 20 minutos na velocidade permitida.
No entanto, Frasson Filho levou oito minutos, furou o sinal vermelho e bateu violentamente contra o GM Celta em que estava Rafael Laraniaga Gomes Capriotti. “Restou demonstrado que a culpa foi, efetivamente, do condutor da Land Rover, que dirigia, além de estar embriagado, dirigia em excesso de velocidade e avançou o sinal vermelho”, colocou o promotor Laércio Januário. O Gaeco ouviu 19 pessoas em dois meses de investigação e montou um dossiê sobre o acidente. As informações devem ajudar a Promotoria de Sarandi, que finaliza o inquérito do caso.
Postar um comentário