15 de dez de 2016

Zeca Dirceu critica descaso com rodovias estaduais no Paraná


pr 280.jpg
PR-280, região de Palmas. (Gazeta do Povo)
A situação das rodovias estaduais no Paraná é um assunto que preocupa muito a população do estado. A proposta de concessão de rodovias após o aumento do pedágio acima da inflação - levando o Paraná a receber o título de um dos pedágios mais caros do mundo - gera grande revolta. Audiências públicas têm sido realizadas em diversas cidades para apresentar e discutir esses projetos de concessão, além da prorrogação antecipada dos contratos de pedágio.
Concessão de rodovias estaduais
Na semana passada o Governo do Estado organizou audiências públicas em Pato Branco e Francisco Beltrão, onde foram apresentados estudos para concessão da PR-280, PR-158, PR-180, PR-483 e PR-182, no Sudoeste do Paraná. Ao todo, são 284,85 quilômetros, desde o trecho do entroncamento com a BR-153, em General Carneiro, até a BR-163, distrito de Marmelândia, município de Realeza.
Estão previstas seis praças de pedágio ao longo da concessão do denominado Corredor Sudoeste - em Realeza, Ampére, Francisco Beltrão, Renascença, Clevelândia e Palmas.
Para o deputado federal Zeca Dirceu, esta será mais uma ação ineficaz para melhorar a qualidade das rodovias estaduais. "Pude acompanhar a mesma situação com a PR-323, no Noroeste do Paraná. Foram realizadas audiências em 2011 e 2014, mas o projeto nunca saiu do papel. O que houve foi um abandono até mesmo da manutenção básica. Além disso, é preciso mais critérios para privatização das nossas rodovias, visto que temos um dos pedágios mais caros do mundo", afirma o parlamentar.
Problemas com as concessionárias
No Paraná, mais de 50% das obras previstas para serem construídas pelas concessionárias ainda não saíram do papel. Em 18 anos de vigência dos contratos de pedágio, foram duplicados apenas 212 km de estradas e 128 km estão em construção. Ainda faltam 370 km. O anel de integração do Estado tem 2.500 km de estradas e, deste total, apenas 427 km estão em pista dupla.
Estas são algumas informações levantadas pelos 31 deputados que compõe a Frente Parlamentar Contra a Prorrogação de Pedágio no Paraná. O objetivo da Frente Parlamentar é impedir que os contratos entre o Governo do Estado e as concessionárias de pedágio no Paraná tenham a prorrogação antecipada, visto que mais da metade das obras previstas ainda não foram realizadas.
Não bastasse o problema do atraso na execução de obras, recentemente, o governador Beto Richa (PSDB) autorizou o aumento de até 13% nas 27 praças de pedágios nas rodovias que cortam o Paraná. O aumento está acima da inflação medida nos últimos 12 meses, que ficou em 7,87%, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Amplo (IPCA). Com esse novo reajuste, Richa mantém o título para o estado do Paraná de pedágio mais caro do mundo.
"Por esses motivos a concessão do Corredor Sudoeste, entre outras rodovias estaduais, deve ser muito bem avaliada pela população nessas audiências que estão sendo realizadas. O Governo Richa acaba de subir o preço dos pedágios e agora já quer aumentar o número de praças. Os paranaenses precisam de um serviço eficaz. Aumentar as praças de pedágio e o valor cobrado pelas mesmas, além de antecipar a renovação de contratos, com certeza, traz mais benefícios às concessionárias do que à população que usufrui das rodovias", critica o deputado Zeca Dirceu.
Postar um comentário